Crescem as vendas de máquinas em setembro

Vendas de máquinas crescem em setembro e podem fechar o ano em alta

O setor de máquinas agrícolas e de construção segue em tom positivo ao registrar crescimento de 9% das vendas em setembro com relação a agosto, ao fechar com 4,8 mil unidades. Os dados foram atualizados na quarta-feira, 7, pelas fabricantes reunidas na Anfavea. Segundo a entidade, este foi o melhor resultado mensal dos últimos 12 meses, mas o pior setembro desde 2018.

O vice-presidente Alfredo Miguel Neto destaca que embora apresente bons números, “o setor ainda está em fase de recuperação, vendo a retomada aos poucos”.

No acumulado de janeiro a setembro, o mercado de máquinas concentra a venda de 33,3 mil unidades, leve aumento de 0,9% sobre igual período do ano passado. “Com este resultado, foi o melhor acumulado de nove meses desde 2018”, acrescentou Miguel Neto.

Por outro lado, as exportações acumulam queda de 32,5% no ano, com apenas 6,5 mil unidades entregues a outros países. Apesar disso, o resultado isolado de setembro mostra que as exportações foram 26% maiores do que as de agosto. O destaque do mês é a queda de 50% das vendas aos Estados Unidos (de 986 para 484 unidades) enquanto os embarques para a Argentina cresceram 9% com relação a agosto (de 75 para 82).

Ainda em setembro, o setor de máquinas agrícolas registrou o segundo melhor mês do ano em produção, com 4,6 mil unidades, o que representou aumento de 4,7% sobre as 4,4 mil feitas em agosto. No entanto, no acumulado do ano, ainda há uma retração dos volumes, que passaram de 41,3 mil para 33,2 mil.

Segundo a Anfavea, este foi o pior acumulado janeiro-setembro desde 2001 para o setor: “Estamos vendo números positivos no comparativo mês a mês, mas comparando com os anos anteriores , não estamos nos nossos melhores momentos”, comenta o vice-presidente da entidade.

MÁQUINAS DE CONSTRUÇÃO IMPULSIONAM CRESCIMENTO EM 2020

Com o início do último trimestre de 2020, a Anfavea revisou as perspectivas do mercado e refez as projeções para o ano. Desta vez, a entidade espera encerrar o período com a venda de 45,9 mil máquinas, o que se for confirmado, representará aumento de 5% sobre as 43,8 mil registradas no ano passado. Na previsão anterior, divulgada em junho, as fabricantes esperavam repetir o volume de vendas de 2019, com crescimento zero.

A entidade indica que a alta será puxada pelo melhor desempenho das máquinas de construção (ou rodoviárias), que segundo a estimativa, deve fechar o ano com 5,4 mil unidades vendidas. Embora o volume seja pequeno, o aumento será de 20%. Já as máquinas agrícolas, com volume bem maior, podem chegar a 40,5 mil unidades, uma alta de 3%.

O executivo da Anfavea explica que no caso das máquinas agrícolas, haverá falta de recursos para cumprir o atual Plano Safra 2020-2021, que termina em junho do ano que vem. Linhas de crédito como o Pronaf e o Pronampe já se esgotaram, enquanto o Moderfrota ainda possui 40% do total disponível ao produtor rural. Embora ele aponte que ainda há outros meios de crédito, como os mais de R$ 700 milhões disponíveis pelo BNDES ou no Banco do Brasil, este investimento não terá as mesmas vantagens como as outras linhas, considerando os juros.

Créditos: 4MACHINES.COM.BR