JD lança motoniveladora no Brasil

Fabricante nacionaliza motoniveladoras, atualiza tecnologias das escavadeiras e vislumbra que haverá crescimento do setor de infraestrutura nos próximos dois anos.

Enquanto o mundo deve apresentar queda de 20 a 25% no volume anual de vendas de equipamentos da linha amarela de construção, o Brasil pode fechar 2020 com crescimento próximo a 30%. É o que avalia a John Deere. A fabricante anunciou ontem que passará a produzir motoniveladoras na fábrica local de Indaiatuba (SP) e atualizou a tecnologia de suas escavadeiras. As duas ações são respostas ao crescimento do mercado, que deve permanecer pelo menos até 2022, na visão da empresa.

Antes das novidades em equipamentos, vale pontuar o que faz a John Deere prever um ano tão bom para esse mercado, já que os índices gerais da economia brasileira não acompanham o mesmo ritmo e deve ter queda do PIB em torno de 5% (FMI) e desemprego superior a 14% (IBGE), para ficarmos em dois exemplos. “Antes da pandemia, já prevíamos um ano bom para equipamentos, com crescimento na faixa de 20%. Ocorre que a pandemia acelerou o crescimento, com a aplicação de investimentos em tecnologias no mercado de construção. Agora, projetamos que o mercado consumirá mais de 20 mil máquinas, alcançando crescimento próximo a 30%, sobre as 16,6 mil unidades comercializadas em 2019”, diz Adilson Butzke, diretor de vendas da divisão de construção da John Deere na América Latina.

A projeção da fabricante leva em conta uma combinação de informações produzidas pela Anfavea, que mede o volume de produção e vendas dos tratores de esteiras, e da Abimaq, que acompanha os demais equipamentos da linha amarela.

“Acreditamos muito neste ciclo de crescimento, que deve permanecer pelos próximos dois anos, dadas as possibilidades de R$ 250 bilhões de investimentos em infraestrutura, vindos de concessões de portos e aeroportos, de saneamento básico e da projeção de construção de mais de 18 mil km de rodovias e 3 mil km de ferrovias”, diz Butzke.

Se a projeção do especialista se concretizar, o mercado da linha amarela pode presenciar cinco anos consecutivos de crescimento na casa de dois dígitos. Em 2019, ele cresceu 31% sobre as 12,6 mil unidades vendidas em 2018, ano este que já foi de crescimento sobre 2017. Para nível de comparação, o melhor ano histórico desse setor foi 2013, quando foram comercializados 33 mil equipamentos.

Novidades para aproveitar o crescimento
De olho nessas possibilidades, a John Deere está nacionalizando a fabricação de motoniveladoras e promete que os produtos locais em nada ficam a desejar em relação às tecnologias mais avançadas disponibilizadas na Europa e EUA. “Os equipamentos importados dos EUA e vendidos no Brasil nos últimos dois anos, aliás, receberão atualização de software gratuita, que otimiza o consumo de combustível e a produtividade em campo”, diz Thomás Spana, gerente de vendas da divisão de construção para o Brasil.

São três modelos de motoniveladoras nacionalizadas: 620G, 670G e 770G. O primeiro tem motor de 6,8 litros e é indicado para operações mais econômicas, enquanto os dois últimos levam propulsor de 9 l. Os equipamentos levam várias tecnologias de conectividade, entre elas o Service Adviser Remote, que permite que o distribuidor da marca acesse o equipamento e realize atualizações de softwares remotamente. Aliás, é exatamente isso que os equipamentos importados nos últimos dois anos receberão.

Escavadeiras atualizadas e com novo visual

Outra iniciativa da fabricante para o próximo ano é a atualização da série de escavadeiras comercializada no Brasil. Os equipamentos vão de 14 a 35 toneladas e, a partir de janeiro, passarão a contar com nova linha de caçambas, projetadas com mudanças no ângulo de ataque e produzidas com nova classificação de aço nobre, o que reduziu o peso dos implementos para otimizar o consumo de combustível ao mesmo tempo em que provê mais produtividade em campo. “Também aumentamos a estabilidade das esteiras, com novas guias de esteiras, novo tipo de proteção dos roletes e novos roletes no carro inferior do material rodante”, detalha Spana.

Para otimizar o consumo de combustível, houve mudanças no software que faz o “casamento” entre o motor diesel e o sistema hidráulico. “As escavadeiras sairão de série com nova iluminação em LED para otimizar trabalhos noturnos e com câmera traseira para ampliar a segurança operacional”, diz o especialista. “E para demonstrar todas essas mudanças, as máquinas terão um novo visual no ano que vem”, conclui.

Fonte: John Deere / 4Machines